Cante Alentejano

Tomé Pires - 22/11/2016 - 11:32

Cante Alentejano

Neste novembro em que assinalamos dois anos do Cante Alentejano como Património Mundial, é importante salientar a força e o impacto de todo o trabalho que tem sido feito, de todas as dinâmicas geradas em torno do cante e dos cantadores, promovendo o Alentejo e Portugal, um pouco por todo o mundo.Trata-se de um processo sustentável de construção e de consolidação deste território com base numa profunda e estreita articulação entre a cultura, a economia, o turismo e o património.

O reconhecimento da UNESCO deu um novo fôlego ao Cante, visível nos muitos projetos novos que começaram a surgir e na renovação dos grupos corais já existentes. O mundo passou a olhar ainda mais para este território, o que obrigou também a uma maior responsabilidade. Novas portas se abriram, pela dinâmica que os grupos, os cantadores, as entidades e instituições, a própria comunidade, promoveram e desenvolveram.

Passados estes dois anos, o Cante éum dos maiores ativos da região. O reconhecimento veio confirmar a sua importância, consolidando aquilo que é uma das riquezas do Alentejo e do povo alentejano. O Alentejo conseguiu uma importância única, enquanto espaço com uma identidade cultural forte numa região patrimonialmente rica e o Cante passou a ter um lugar de destaque, como o atestam as muitas solicitações para eventos nacionais e internacionais.

Por tudo o que o Cante Alentejano representa, por todo este percurso feito em coletivo, a segunda edição do Cante Fest’, que decorre entre 24 e 27 de novembro, afirma-se como o grande palco do cante alentejano, promovendo e valorizando o património imaterial e, ao mesmo tempo, potenciando o seu papel de importante ativo económico.

O Cante Fest’ 2016 abre no dia 24, na Casa do Alentejo, em Lisboa, com a apresentação do “Roteiro do Cante”, projeto piloto que foi iniciado em junho, em Serpa, com uma exposição de fotografia e uma publicação sobre o Cante no Feminino. No dia 25, ainda em Lisboa, nas Portas de Santo Antão, às 17h00, decorre um desfile de Grupos Corais.

Nos dias 26 e 27 o Cante Fest’ ficará em Serpa, tendo como palco o Pavilhão de Feiras e Exposições, com três espaços distintos para celebrar o cante e o seu território: o Espaço Expositivo, com representação dos grupos corais, de entidades ligadas às dinâmicas do movimento coral e dos promotores turísticos; o Espaço Auditório, onde decorrem todas as conversas, mesas redondas eapresentação de projetos; e o Espaço Tabernas, onde estarão presentes produtores de vinho do concelho e a eno-gastronomia será acompanhada com uma mostra de todo o universo musical do Cante Alentejano.

Do programa para estes dois dias destacam-se as exposições de artes plásticas e a apresentação do projeto de reedição do livro “O Cancioneiro de Serpa” e de uma medalha e escultura comemorativas do Cante Alentejano, Património da Humanidade, da autoria do Mestre Escultor José Teixeira.

Audio Player

COMENTE ESTE ARTIGO